Menu

A Central Entrevista Meteoro Brasil!

Meteoro Brasil é um canal de Youtube que foca seu conteúdo em fazer análises profundas de desenhos animados, seriados e games. Recentemente inaugurado, o canal vem cada vez mais ganhando destaque na mídia por seu estilo único de produção simplista, que ao mesmo tempo é muito característico.

Fomos muito bem recebidos pela equipe responsável pela produção do canal que preferiu não se apresentar ao público por questões ditas na entrevista.

Confiram a entrevista na íntegra logo abaixo:

É evidente a ligação do canal com desenhos animados. Principalmente aqueles mais filosóficos. Antes mesmo de produzir conteúdo sobre eles, você obviamente teve contato com toda essa cultura. Queria saber mais sobre sua história, quais desenhos gostava mais na infância? Era um telespectador assíduo da TV Globinho ou teve acesso a Cartoon Network e cia logo cedo? Ah! E quais ainda gosta hoje em dia?

Eu nasci em 1983. Quando a TV Globinho foi ao ar pela primeira vez eu já devia ter idade para beber cerveja. Houve um tempo na minha vida em que só havia a televisão e a escola. Os grandes sucessos da época eram He-Man e Thundercats, mas o meu preferido era Peter Pan no Bouken, um anime baseado no Peter Pan que a Globo exibia no Show da Xuxa. Naquela época era muito raro ver animes na TV aberta brasileira e eu fiquei encantado com a arte, com a animação, com tudo. Anos depois, a Manchete passou a exibir Cavaleiros do Zodíaco. Aquilo fez um sucesso enorme no Brasil e estimulou as emissoras a abrirem suas grades de programação para os animes. Meu negócio sempre foi anime, mas vejo uma evolução maravilhosa na animação ocidental: Adventure Time e Steven Universe, por exemplo, representam um imenso salto de qualidade. São animações que, entre outras coisas, ampliam as temáticas que podem ser tratadas dentro de um desenho. Minha admiração pelo Pendleton e pela Rebecca Açúcar é enorme. Acho que vai demorar uns anos pra entender o impacto cultural desses dois. Eles podem ter salvado uma geração inteira.

Quando eu era mais novo acompanhava muito a programação dos canais “Futura” e “TV Cultura” e eles tinham alguns programas com um estilo bem parecido com o que dita o formato de seus vídeos. Pode-se dizer que esses programas influenciaram seu trabalho de alguma forma? Falando nisso, quais referências você usa para produzir seu conteúdo, em que você se inspira? E como e quando surgiu a ideia de abrir o canal?

Muita gente faz essa comparação e eu fico bem feliz com ela. Eu adoraria ter atingido essa semelhança intencionalmente, mas não foi o caso. A estética que a gente vê nos vídeos do Meteoro é resultado das minhas limitações. Dois exemplos: uso cenários de tecido porque sou incapaz de desenhá-los e os personagens voam porque eu jamais saberia animar pernas. Há uma história meio triste por trás da minha falta de habilidade pra essas coisas e dos meus desenhos toscos: eu apanhei muito durante o meu processo de alfabetização. Quando me perguntaram com qual das duas mãos eu escrevia, eu respondi que poderia usar qualquer uma das duas. Consideraram essa resposta uma ofensa, me bateram bastante e me proibiram de usar a esquerda – talvez ela fosse a mão dominante antes do trauma. Pra mim, desenhar é muito, muito difícil, mas eu gosto tanto que passei a vida inteira tentando. A redenção dessa tragédia é uma moça maravilhosa que me presenteou com todo tipo de material de desenho e que me incentivou tentar melhorar. O canal é resultado desse processo de resgate. E a moça maravilhosa que eu mencionei tem uma voz igualzinha a da mulher mais sábia no topo da montanha mais alta. A semelhança é espantosa!

Animações são métodos maravilhosos para inserir numa fantasia, ou até mesmo numa metáfora. pequenos causos da realidade de forma sutil que transmitam uma mensagem. Queria saber de você o quão julga poderoso um desenho animado, e qual o tamanho da importância que isso tem para nós expectadores?

Eu demorei muito pra gostar de qualquer tipo de produção que não fosse animada. E os primeiros filmes pelos quais me interessei tinham monstros animados em stopmotion. Então, sempre pode parecer que estou advogando em nome dos meus gostos pessoais, mas do jeito que eu vejo as coisas, a animação é um verdadeiro milagre artístico. Com ela, tudo pode parecer fantástico. Através dela, todas as emoções humanas podem ser representadas. E a tecnologia deixou a animação ainda mais poderosa. Tanto que boa parte do que se vê nos filmes já é animação. Houve uma época em que misturar atores de verdade com animação era só uma curiosidade estética. Hoje, essa mistura está em qualquer filme de ação.

Vocês fez vídeos incríveis interpretando perfeitamente animações como Rick And Morty, Bojack Horseman, Irmão do Jorel e Steven Universe. Como é o processo criativo dos seus vídeos, tendo em vista que é necessário um tempo para pesquisar sobre o assunto abordado, e editar a animação?

A primeira coisa é conferir a obra a ser analisada. De vez em quando, tomo notas enquanto assisto. Depois, faço alguma pesquisa e escrevo um roteiro. Aí vem uma terceira etapa, de preparação: é quando separo e organizo todos os materiais que vão ser utilizados no vídeo e desenho os elementos necessários. Na sequência, gravo os áudios e começo a jornada da edição. É a parte mais demorada, mas já estou ficando mais rápido. É claro que cada uma dessas etapas tem a supervisão, o apoio e a correção daquela moça maravilhosa que eu mencionei antes. Como ela sabe de todas as coisas, ela ensina todas as coisas; inclusive roteiro e edição de vídeo.

Falando justamente sobre a animação de seus vídeos, queria aproveitar para elogiar, que é dinâmica e bem feita. Existe alguma equipe que cuida disso? Você(s) tem alguma experiência na área?

Você é bem generoso! Muito obrigado. Não tem dinheiro, não tem equipe, mas tem DETERMINAÇÃO! Um vídeo desses representa umas 20h de trabalho, em média. E, quando eu começo a editar, nem consigo parar. Editei reportagens para emissoras de TV no passado e era um saco. Com os vídeos do canal, é diferente. A cada minuto, uma nova decisão criativa precisa ser tomada. É tão frenético quanto encarar o Contra do nintendinho sem o código de 30 vidas.

Dos vídeos já lançados, existe um em que lhe demandou mais atenção e carinho para ser feito? Ou tem algum especial que você ainda quer fazer futuramente?

Meu preferido é o episódio que fala sobre The Legend of Zelda. O que mais me deu trabalho foi o que demonstra as tendências budistas em Adventure Time (a série tem muitos episódios e precisei caçar cada uma das cenas sem lembrar exatamente em que episódio ou temporada elas estavam). O que eu mais quero fazer é conseguir atender os pedidos do público. Eu amo quando as pessoas nos dão sugestões.

Existem projetos para o futuro? Levar quem sabe o Meteoro Brasil para TV, ou até mesmo começar a trabalhar em outro formato de vídeo ou conteúdo?

Eu não quero ser o primeiro e nem ser melhor do que ninguém. Só quero ser compreendido e considerado e – se possível, porque tem vezes que é difícil – ser amado. O sonho é viver fazendo meu próprio conteúdo. Existem outras estéticas que eu quero experimentar. Existem outros temas dos quais eu quero falar. O canal bem que poderia ter outros programas, outros quadros, mas pra isso acontecer ainda tem um caminho longo pela frente.

Que mensagem final você deixa para nossos leitores?

Essa, ó: <3

Por que o anonimato?

A coisa que mais leva as pessoas a iniciarem um canal no Youtube é a vaidade, o desejo de fama. Talvez o público esteja cansando disso. Pensei nessa hipótese quando o canal recebeu um comentário em caixa alta: “NÃO MOSTREM OS ROSTOS”. Outras pessoas concordaram imediatamente com o pedido, argumentaram que tiraria a magia da coisa toda. Eu já não assinava o trabalho antes e depois disso fiquei ainda mais convicto dessa postura.

Se inscrevam no canal Meteoro Brasil!

Ramon Vitor
Nerd, cinéfilo e um estudioso da música. Este é Ramon.
  • Entrevista maravilhosa de um canal maravilhoso! Amo o Meteoro Brasil! <3

    • Ramon Vitor Alves

      Nós amamos!

  • Paulo José

    METEORO BRASIL <3 <3 amor, entrevista boa de mais cabra,vou deixar minha marca aqui RN NATAL

    • Ramon Vitor Alves

      Um abraço para você e todo o RN, Paulo!